31.12.10

2010 foi o ano...

... do melhor e do pior. foi dois anos num. foi o amor que me acertou como um raio e me fez a pessoa mais feliz do mundo. e que depois se desfez em mil bocadinhos e me deixou sem conserto durante uns bons tempos. foi o sacudir o pó e levantar outra vez, e perceber que sou infinitamente mais forte do que julgava.
mas foi muito mais que isso.
foi o renascer da amizade com a a., foi o conhecer novas e fantásticas pessoas, foi ter o ombro das amigas de sempre.
foi voltar à escola, e colher os frutos dessa aprendizagem. foi a mudança de serviço, que surgiu no momento ideal. foi barcelona, são miguel, o sheraton lisboa... arctic monkeys, optimus alive, gotan project, franz ferdinand (finalmente!!), foge foge bandido, vampire weekend...
foram muitos e muitos mergulhos no mar, de norte a sul e nas ilhas.
foram muitos quilos perdidos e muitas lágrimas choradas. mas mais e ainda mais importantes foram os sorrisos e as gargalhadas e os abraços. e os beijos na boca.
foram gin tónicos sem fim, noites incontáveis no tendinha e no rádio a dançar como se não houvesse amanhã.
foi o ano mais importante da minha vida. mas nunca me senti tão feliz por ver mudar o ano no calendário.

apesar de tudo...

... este ano fujo ao preto.

estou para aqui irritada que só eu sei

contra todo o bom senso que me caracteriza, acredito piamente que a forma como iniciamos o ano influencia os 365 dias que se lhe seguem. não por cenas cósmicas e energias e paneleirices assim, mas porque o estado de espírito com que o encaramos o condiciona.
há um ano atrás estava eu a trabalhar, ansiosa por sair, "quitar-me" minimamente, ir para uma festa cheia de gente desconhecida com uma das minhas melhores amigas e receber 2010 em grande. e 2010 chegou e não foi preciso muito mais de uma semana para perceber que ia ser um ano em grande - como o disse na altura.
hoje luto contra a vontade de me enfiar debaixo dos cobertores. apesar de um bom almoço com as minhas gajas, apesar de uma mão-cheia de convites para festejos.
e não quero, não quero mesmo começar o ano assim. por isso vou escolher uma fatiota, por-me jeitosa, beber uns copos e receber 2011 o melhor que conseguir.
pelo sim, pelo não, vou usar rímel à prova de água.

desejos para 2011

saúde, trabalho, viagens e, porque não?, sexo. amor não peço, que o último partiu-me o coração em tantos pedacinhos que ainda só encontrei mais ou menos metade. se vier, vem. que seja o que 2011 quiser.

29.12.10

dos presentes de natal

depois do bebé que recebi no ano passado que agora me aquece nas noites frias de inverno, uma nova presença masculina deu o ar de sua graça cá em casa. assiste impávido e sereno a tudo o que se passa entre as quatro paredes do meu quatro - que neste momento, entenda-se não é muito - e o melhor de tudo é que não conta nada. porque o criado... é mudo!

em jeito de retrospectiva...

... depois do que aconteceu este ano, é melhor começar a ter muito cuidado com o que desejo no revéillon.

life's what happens when you're busy blogging

por isso não tenho andado por aqui. sim, o que me tem mantido ocupada é principalmente trabalho. mas não só. também jantares de primos, noitadas com os amigos, sessões de cinema em casa sozinha com um balde de pipocas de manteiga. e saldos, claro. a toillette para o réveillon já cá canta.

24.12.10

ho ho ho

sim, passo o Natal a trabalhar e ainda ranhosa como tudo. mesmo assim, tenho muito porque agradecer: tostão para dar presentes àqueles de quem gosto, jeito para fazer as melhores rabanadas do mundo e com as quais me vou alambazar mais daqui a bocado, tios, primos e avós que me vão ligar em altos gritos durante a consoada, amigos fofos que ligam e mandam mensagens.
o espírito natalício reina por aqui. um bom natal para vocês, minha gente.




22.12.10

de inverno para inverno tendo a esquecer-me...

... do enorme desafio que é lavar os dentes com o nariz entupido.

21.12.10

bela forma de terminar o ano

a bela da gripe que me deixou de rastos, pela 2ª vez na minha vida profissional a faltar ao trabalho, pela primeira vez na vida doente sozinha em casa. faz-me falta a sopa da mãe, o chá da m. e os mimos do don juan.
tenho a casa cheia de lenços de papel por todo o lado, entupi-me de comprimidos e xarope e dormi 13 horas esta noite. a ver se não tenho de faltar à consoada de Natal - no hospital, pois claro.

17.12.10

13.12.10

i need a fresh start

dou por mim a desejar o dia 1 de janeiro. um ano novo no calendário, uma agenda nova, novos desafios, novos planos, viagens já na calha, contas (mais ou menos) feitas à vida.
ou então mando os planos às urtigas e desbundo 2011 como o caraças. ainda não decidi.

12.12.10

10.12.10

o principezinho

entrei na almedina e dei de caras com ele. folheei-o distraidamente e quando cheguei ao final comecei a ler. parei quando as lágrimas me começaram a chegar aos olhos. é possivelmente o livro mais lindo do mundo.




8.12.10

a semana perfeita

o único dia desta semana (entenda-se de segunda a domingo e não de segunda a sexta, ok?) em que não tenho de acordar de madrugada... é o dia em que estou a trabalhar de madrugada!

7.12.10

delicioso

o meu avô dizia-me no outro dia, a propósito de um fim-de-semana em família: "tens de ver as fotografias que o g. tirou, estão lindíssimas. é mesmo engraçado, ele tem uma coisa assim pequenina [uma pen] e as fotografias cabem todas lá dentro e depois ele consegue vê-las no computador! é espantoso!"

i'm in healthcare

"the goal of any surgery is total recovery. to come out better than you were before.
some patients heal quickly and feel immediate relief.
for others, the healing happens gradually, and it's not until months or even years later that you realise you don't hurt anymore.
so the challenge after any surgery is to be patient. but if you can make it through the first weeks and months, if you believe that healing is possible, then you can get your life back."
Grey's Anatomy (Season 7, Episode 10)

i have a dream

3.12.10

"o que há em mim é sobretudo cansaço"*

numa semana intensa, em que dois dias de férias souberam a pouco, dou por mim a chegar à sexta-feira a trabalhar, exausta e desmoralizada.
porque a novela a que tenho assistido de camarote não dá sinais de melhorar, porque me vejo atirada aos leões numa história que não é a minha mas que me implica de tantas maneiras.. e logo agora que a única coisa que precisava era de uma vida descomplicada, umas boas noitadas, jantares, gargalhadas, passeios e compras de natal...


* Álvaro de Campos

vá lá, pai natal, não te peço mais nada:

























olha, pai natal, é só clicar na imagem... quem é amiguinha, quem é?

working late

o ficheiro excel que tenho de apresentar numa reunião amanhã às 10 da manhã está todo catita e exactamente como eu queria. por outro lado, a minha pen acabou de pifar com a apresentação em power-point lá dentro - não, não tenho nenhuma cópia de segurança. e não, não posso fazer outra a correr muito porque ela foi o fruto de um longo trabalho de 8 pessoas.
não sei mesmo como é que vou descalçar esta bota...

2.12.10

in therapy

às vezes é preciso uma terapia de choque como a de ontem para perceber que estou a fazer tudo mal. que não é normal conviver com aquele que achei por momentos que fosse o homem da minha vida e achar que fico melhor com isso. que é impossível evitar sentir nem que seja por momentos que ele, o meu don juan, está de volta. e o regresso à realidade é o maior tombo do universo.
sim, tenho saudades. sim, queria que as coisas não tivessem acontecido assim. mas quanto a isso, nada a fazer.
por isso o passo a tomar é o necessário afastamento. o corte. o luto. se necessário, o escárnio e o maldizer. e um dia (em breve, por favor, em breve!) acordar e perceber que passou.

1.12.10

escandaloso

ontem, para me distrair do double date do inferno, resolvi fazer uma sondagem por essa movida fora.
das cerca de 30 pessoas inquiridas sobre o motivo do feriado do dia 1 de dezembro, obtive pérolas como "o dia da implantação da república, claro", "não quero saber porque amanhã vou trabalhar", "o motivo é eu estar muito cansada e precisar de um feriado" e "é um feriado religioso qualquer e eu não ligo a religião". acho que só umas 3 pessoas deram a resposta correcta.
simplesmente delicioso.

30.11.10

double date

com o ex e um casal amigo? de repente não me parece muito boa opção...
puta que pariu as logísticas de um ex-casal...

merda merdinha..

... é saber que o momento em que começo a sentir-me outra vez de bem com a vida coincide com o pior momento para alguém de quem gosto tanto. e por muito que queira, não há nada que possa fazer para ajudar.

25.11.10

serão em casa dos velhotes (falta a velhota)



heartbroken

os senhores da McDonalds acharam que eu ainda não tinha tido desgostos suficientes este ano e resolveram acabar com o McFlurry de oreo. [suspiro...]




24.11.10

20.11.10

18.11.10

momento alto do congresso que me ocupou os últimos dias:

sentada com umas colegas nos sofás em frente aos elevadores do hotel. passa um jovem bem apessoado, com uns "ares" de Villas-Boas mas para melhor. m. aprecia e quando o jovem entra no elevador dá uma cotovelada à colega e sussurra "viste?"
responde a colega "e tu, viste que o elevador estava cheio de espelhos?"
quando voltou a subir, o jovem bem apessoado utilizou outro elevador. vá-se lá saber porquê...

17.11.10

gostei

 

gobsmacked

parece que afinal, tirando as empregadas domésticas de uniforme e os pequenos-almoços de garfo e faca, as coisas que acontecem nas telenovelas acontecem na vida real. tal e qual.
dito isto, volto ao silêncio, que as minhas palavras estão gastas de tanto fazer perguntas a quem precisa de encontrar respostas.

15.11.10

extreme makeover

decidi na semana passada que ia dar uma volta à minha vida e que a melhor forma de começar era com uma mudança de visual. saí do cabeleireiro na 6a com menos um palmo de cabelo e a sentir-me uma estrela de cinema.
o que é que eu acho sobre isso agora? é que gorros são uma cena mesmo gira.

10.11.10

bad boys know it best

"the thing about chicks is you only have to be a fraction as nice to them as you are mean for them to like you again"
Puck in Glee (Season 2, Episode 6)

it's a game of give and take

numa fase da minha vida em que reaprendo a relativizar e a redistribuir afectos, é incrivel descobrir como há amizades de pedra e cal. que sobreviveram a asneiras, discórdias, desilusões ou simplesmente percursos diferentes. mas que a certa altura - sempre a altura certa - se voltam a cruzar.
e é muito bom sentir que não só sou ajudada como também posso ajudar.


Bridge over troubled water - Simon & Garfunkel

há conversas assim

ontem, a recapitular uma conversa que tive com uma amiga, cheguei à conlcusão de que o meu grande grande problema foi ter lido demasiados livros da condessa de ségur quando era pequena.
eram livros com as folhas amarelas e ilustrações antigas, alguns deles tinham pertencido à minha avó. e independentemente do fio da história, as meninas eram prendadas e carinhosas e os meninos adoráveis e bons partidos. e os que não o eram (eles e elas), sofriam enormes provações e redimiam-se no fim. redimiam-se sempre.
e eu, feita burra, ainda acredito que em pleno século XXI os idiotas que me passam pela frente se vão redimir um dia. e trato-os com a consideração e educação que eles não merecem.

4.11.10

fados à moda do porto




preppie

amanhã vou a uma formação no local de trabalho do don juan. com sorte nem me cruzo com ele, mas só para não ficar em casa a matutar nisso mandei-me para o centro comercial e estourei o orçamento. estes amores que andava a namorar há semanas vieram comigo para casa.
e cheira-me que vou ter de os levar a passear ao concerto de vampire weekend...

2.11.10

[reeboot]

sou capaz de andar sumida por uns tempos.
a tristeza profunda deu lugar a um outro sentimento ao qual não estou de todo habituada - a raiva.
e se à tristeza consigo responder com posts dramáticos e músicas de fazer chorar as pedras da calçada, à raiva não consigo. porque não quero que ela me transforme em algo que não sou.
por isso, e para não lhe dar trela, nada de escrita por uns tempos. esperemos que o período seja breve. até já.

31.10.10

não há coincidências

e no dia em que quase lhe disse "tenho demasiadas saudades tuas, faço o que for preciso para ficarmos juntos" foi o dia em que tudo o resto encaixou. foi uma tarde divertida, uma noite improvável, uma madrugada adorável. sem ele. e, apesar de tudo isso, dava o meu dedo pequenino do pé direito para não ter razão sobre a minha suspeita de ele estar com ela. mas tinha.

30.10.10

em inglês não dá para disfarçar

"do you have a broken heart?"

28.10.10

deve ser isso, tenho levantado demasiado a cabeça ;)

adoro dizeres populares

e o que me ocorre neste momento é "já a formiga tem catarro"...

tourist for a day





26.10.10

tenho uma grande dificuldade em deitar coisas ao lixo

11.03.2010

i like yellow jello

é engraçado

hoje pela primeira vez em muito tempo estou genuinamente feliz. daquele género de sorrir para dentro e cantar as músicas que passam na rádio.
e é pela felicidade de outra pessoa.
pode ser que me contagie.

estou indecisa

ou os meus vizinhos estão a mandar a queca do ano ou a driblar uma bola de basquetebol.

25.10.10

lucky luke style

neste momento preciso que a minha vida seja um bocadinho menos "liceu", um bocadinho menos "preciso destas pessoas como de ar para respirar". tenho passado tempo sozinha e sabe-me bem. pelo menos por agora.


one man guy - rufus wainwright
[gosto mais da versão de estúdio, mas não a encontrei]

24.10.10

ce soir

f*d@-se!

quando a minha vida neste momento se resume a trabalho e pouco mais, o que dizer quando um turno de 18 horas corre mal com'ó caralho?...

22.10.10

you're so vain

You walked into the party
Like you were walking onto a yacht
Your hat strategically dipped below one eye
Your scarf it was apricot
You had one eye in the mirror
As you watched yourself gavotte
And all the girls dreamed that they'd be your partner
They'd be your partner, and

You're so vain
You probably think this song is about you
You're so vain
I'll bet you think this song is about you
Don't you? Don't you?

You had me several years ago
When I was still quite naive
Well, you said that we made such a pretty pair
And that you would never leave
But you gave away the things you loved
And one of them was me


You're so vain - Carly Simon

roubado daqui

já que não saio...


é sexta-feira

e eu estou demasiado cansada para ir ao festival do cinema francês, provavelmente demasiado cansada para aguentar até à hora que a malta sai de lá para beber um copo.
estou até demasiado cansada para ir buscar a sopa que está a aquecer no microondas.
triste vida a minha.

21.10.10

quem tem tempo, escreve

quem não tem, cita.

ainda não tenho 30 mas sinto-me um bocadinho assim:

Ter 30 anos é fixe. Apesar de me esquecer muitas vezes que já os fiz, a verdade é que os tenho e gosto disso. Não queria ser adolescente outra vez, nem que me pagassem, nem queria estar nos 20 porque não é tão fixe como estar nos 30. A verdade é que temos uma herança gira, um histórico fofinho de brincadeiras na rua, televisão só com dois canais e séries óptimas, desenhos animados divertidos, a Rua Sésamo, pão com marmelada e avós a tomar conta de nós. E por isso é que somos também uma geração com tanta nostalgia e saudades do que já foi. Venham daí os Sanjo, os cromos, a cola cisne, as bombocas e os relógios casio digitais. Somos meninos e meninas que começaram a sair à noite aos 16 e não aos 12, 13 e 14, como agora se faz. Somos da altura em que ainda existiam algumas, ainda que poucas, tribos urbanas. Betos, surfistas, freaks, grunges, góticos e nem uma coisa nem outra. Dificilmente seríamos tão iguais uns aos outros como hoje. Somos meninos que aos 11, 12 e afins não tínhamos qualquer preocupação com a moda e vestíamos o que houvesse porque isso não era assim tão importante. Quanto muito queríamos roupas da Cenoura (eu quis) porque os Ministars usavam. O sexo não era tabu mas também não era uma conversa a ter a cada encontro com os amigos, não era banalizado e os namoros eram mesmo importantes e tenho pena que os miúdos de hoje já sejam tão cínicos no que toca ao amor. Sabemos assobiar o "Verão Azul" e cantar o genérico do "Tom Sawyer". Lembramo-nos da Madonna porcalhona e tão fixe que costumava ser. Quão fixe é sermos do tempo em que o Twix se chamava Raider? Somos mais infantis do que os nossos pais, duma forma boa e queremos ser felizes mais do que qualquer outra coisa, por muito estranho que isso ainda soe às gerações mais velhas. Somos novos até mais tarde e aos 30 somos mesmo novos mas com uma bagagem de uma série de coisas que já não existem e que nos fazem sentir priveligados e às vezes arrogantemente especiais. E esquecendo o facto de nos sentirmos defraudados de vez em quando - o futuro não está a ser assim tão brilhante quanto nos prometeram e não basta tirar um curso para ter sucesso - estar nos 30 é fixe. Muito fixe.


by Leididi

leituras

ando desde os 15 anos para ler pedro paixão. este excerto explicou-me porquê.


O sofrimento pode ter sentido, transformar-nos por dentro. É preciso paciência. Porque o tempo parece nunca mais acabar e somos projectados para um ponto muito longe do convívio entre os humanos. Faz parte do sofrimento deturpar as coisas, vê-las através de lentes tão fortes que facilmente entontecemos, nos desequilibramos, caímos. Temos medo de tudo, de nós mesmos. A simples superfície das coisas nos agride. Somos assaltados por demónios que nos roem a alma. É um tormento em que nos atormentamos. É preciso ter paciência e o mais das vezes não a temos. A violência da vida bate-nos em cheio. Procuramos abrigos e todos cedem e nenhum é suficiente. Recordamos a paz que perdemos como o bem mais precioso, ignoramos o caminho que nos traga de volta a nós próprios. Falta-nos a coragem, mas para ela nem encontramos motivo. O mundo todo é um mal-entendido que aguardamos que se resolva ou estoire e enquanto nada acontece sofremos. Agarramo-nos a coisas que se nos escapam entre os dedos. Só a morte está por todo o lado desperta, cerca-nos, olha-nos com os olhos muito abertos, mete medo. Fechamos os olhos, mordemos os lábios, fugimos para debaixo da cama e não há maneira. O amor é uma coisa tão distante, tão impossível. Vivemos, momento a momento, uma solidão que nos aperta a garganta, faz de nós o que quer. Uma música, uma palavra, uma folha caída e é o suficiente para nos trazer uma irremediável precisão de chorar. E quando choramos não sabemos bem porque o fazemos, é só a tristeza a tomar conta de nós. O sofrimento pode ter sentido, transformar-nos por dentro. Meu Deus, fazei que assim seja. Dai-nos a paciência e uma pequena esperança. Ajudai-nos a aceitar quem somos. Salvai-nos da confusão. Obrigai-nos a prosseguir, porque ignoramos.

[Pedro Paixão, in Amor Portátil]

roubado daqui

20.10.10

chamem-me mau feitio, chamem-me o que quiserem

conselho de amiga: se me fizerem esperar 45 minutos sozinha num restaurante no vosso dia de aniversário, não esperem o "parabéns" mais efusivo e bem disposto do mundo. e não tenham a lata de me acusar de estar mal-disposta.
não vim embora, mas devia ter vindo.

i just don't have it in me

eu sabia que a depressão profunda, tal como os 51kg, era sol de pouca dura. dizem que o amor engorda - pois, o amor-próprio também.

19.10.10

a noite de hoje

17.10.10

afinal ele não apareceu

bolas, e eu que estava tão gira.

16.10.10

don juan, again

hoje, ao contrário do que é habitual em mim, vou apontar para chegar atrasada a um jantar. porque de todas as pessoas que vão lá estar, só uma é tão pontual como eu. e é justamente com essa pessoa que eu não quero ser apanhada sozinha.

da pontuação

quando era mai nova era uma moça de pontos de exclamação. usava e abusava. ou de reticências, assim como quem não tem a certeza, ou quer deixar em aberto a hipótese de mudar de opinião.
hoje em dia sou mais uma moça de pontos finais. são mais ponderados e decididos. e não distraem do verdadeiro sentido da frase. é o que é.
a cedência máxima é um ponto e vírgula.

acordei com esta na cabeça

é daquelas que apetece ouvir no carro com o volume bem alto, as mãos no volante e a cabecinha a abanar.
um guilty pleasure portanto.

15.10.10

é como tudo na vida

nunca tive muito jeito para estacionar. lembro-me que no exame de condução dei três ou quatro voltas ao volante , já não sabia muito bem para onde me virar e o meu instrutor já deitava as mãos à cabeça, mas a verdade é que à segunda o carro ficou perfeitamente estacionado. o examinador até me perguntou "não sabe muito bem como é que fez isto, pois não?"
e geralmente, tirando raros dias em que estou inspirada (ou concentrada..?) os meus estacionamentos são assim: perco-me, dou voltas desnecessárias, mas sem perceber muito bem como o fiz o carro fica no sítio, o estacionamento perfeito.

14.10.10

official gleek



MR. SCHUE: guys, I don't want to be a buzz kill... but the assignment was "hello"!
RACHEL: I'm sorry, I was just focusing on the first syllable...

[esta vai direitinha para o podcast do fim-de-semana!]

eu gosto de voltar aonde já fui feliz

tenho sonhado com NY e londres. todas as noites, uma ou outra.
e começo a ficar com comichão no passaporte.

13.10.10

haja (falta de) imaginação

eu gosto do nuno prata, mas a letra do novo single é qualquer coisa de inacreditável: "vamos repetir este estúpido refrão até se transformar numa canção"? a sério?

[não tenho a certeza se é exactamente assim, mas não encontrei a letra na net...]

11.10.10

dica aos senhores que fazem compota de amora selvagem:

amoras inteiras é bom. amoras com caule é mau.

a música do fim-de-semana

Eu vou
Voltar a ser
Tudo o que eu já fui um dia
Tudo o que eu já queria ser
Antes de te querer

Eu vou
Voltar a ver
O lado bom das pessoas
As suas coisas boas
Antes de entristecer

Mais vale somar paixão
Somar desilusão
Até tudo nos doer
Porque eu vou
Voltar a ser
Tudo o que eu já fui um dia
Tudo o que eu já queria ser
Antes de te querer

Eu sei
Que vou voltar
Ao coração por um fio
Porque é do meu feitio
Nem sei como mudar

Mais vale somar paixão
Somar desilusão
Até tudo nos doer
Porque eu vou
Voltar a ser
Tudo o que eu já fui um dia
Tudo o que eu já queria ser
Antes de te querer

Porque eu vou
Voltar a ser
Tudo o que eu já fui um dia
Tudo o que eu já queria ser
Antes de te perder

Voltar a ser - Carminho (música e letra: João Monge)



infinitamente melhor ao vivo!!

foi diferente

ontem ele passou-me ao lado. ontem o importante foi o abraço sentido dos amigos que são dele e que, durante algum tempo, foram também meus. que saudades...

10.10.10

RIFÃO QUOTIDIANO (ou não vou ser uma nêspera)

uma nêspera estava na cama
deitada
muito calada
a ver
o que acontecia

chegou a Velha
e disse
olha uma nêspera
e zás comeu-a

é o que acontece
às nêsperas

que ficam deitadas
caladas
a esperar
o que acontece

Mário Henrique Leiria - Contos do Gin tónico

9.10.10

hoje é o dia

um dia vou ter o google reader cheinho de itens por ler e vou desligar o computador e sair de casa porque está sol lá fora.
these boots are made for walking... legendary tigerman style! ;)

8.10.10

podcast para o fim-de-semana

fico à espera dos resultados desta sondagem. é que estive a ver a minha lista e não encontrei uminha que se adequasse...

tão verdade (post encomendado)

"Outra enormidade actual é a ideia de que dois seres apaixonados podem ser "amigos". Isto é como querer que um vulcão sirva também para aquecer um tacho de sopa. Ofende tanto a amizade – ou o fogão – como o amor – e o vulcão. Ser amigo é querer o bem de alguém. Amar é querer alguém, e acabou. Se for a bem, melhor. Se for a mal é porque teve de ser. Um vulcão só irrompe de quando em quando, e às vezes uma única vez. Como o amor. E o fogão dura quase toda a vida, como a amizade. Não haja confusão."

Miguel Esteves Cardoso
roubado daqui

que bela forma de começar o dia

tenho a casa cheia de trolhas. e eu de pijama.

não há coincidências

no álbum da senhora, esta música vem depois daquela.

I was staring at the sky
Just looking for a star
To pray on, or wish on
Or something like that

I was having a sweet fix
Of a daydream of a boy
Whose reality I knew
Was a hopeless to be had

But then the dove of hope began its downward slope
And I believed for a moment that my chances were
Approaching to be grabbed
But as it came down near, so did a weary tear
I thought it was a bird, but it was just a paper bag

Hunger hurts, and I want him so bad, oh it kills
'Cause I know I'm a mess he don't wanna clean up
I got to fold 'cause these hands are too shaky to hold
Hunger hurts, but starving works, when it costs too much to love

And I went crazy again today, looking for a strand to climb
Looking for a little hope
Baby said he couldn't stay, wouldn't put his lips to mine,
And a fail to kiss is a fail to cope

And I said, "Honey, I don't feel so good, don't feel justified
Come on put a little love here in my void"
He said, "It's all in your head"
And I said, "So's everything'" but he didn't get it
I thought he was a man but he was just a little boy

Paper Bag - Fiona Apple

7.10.10

das decisões certas

hoje ouvi a história (do fim) de um amor. uma história da qual eu poderia ter feito parte - como 3ª pessoa. da qual escolhi distanciar-me, porque não concordava com os meios, porque o final me parecia longe do ideal.
se não me tivesse distanciado, possivelmente não estaria agora de coração partido. mas estaria de consciência amachucada. como eu duvido que agora a tal 3ª pessoa  (outra 3ª pessoa, que não fugiu) esteja.

porra para o outono

tinha grandes planos para hoje. que incluiam um fantástico date comigo mesma, em que planeava levar-me ao concerto de peixe:avião e oferecer-me um gin tónico (dos bons, ia cometer uma extravagância e pedir um bombay saphire!)
com o temporal que faz lá fora, acho que vou ter de me contentar com uma manta e um DVD...

preto no branco

há factos que só quando os expomos assim todos de seguida fazem sentido. mostram o ridículo de sofrermos por alguém que claramente não o merece.
recapitular seis meses de incoerência ajudou. chegar a casa e ver que ele escreveu no FB que anda à procura daquilo que me disse que tinha encontrado em mim também.

triste vida social a minha

só ponho a minha casa num brinco porque o senhorio vem cá.

5.10.10

trabalhos forçados

a noite de ontem foi arrancada a ferros. em todos os sentidos.
foi forçar o jantar pela goela abaixo que o estupor não queria descer. foi empurrar as lágrimas para dentro quando ouvi "estás a ser tão forte..." quando me sinto a pessoa mais fraca à face da terra. foi engolir o orgulho quando mais uma vez o encontrei nos nossos lugares. foi convencer a amiga (obrigada g.!) a ir dançar porque precisava de voltar àquele lugar onde tantas e tantas vezes fui com ele. foi impedir-me de o procurar.
não falhei. mas voltar a ser feliz não devia ser tão difícil.

não era suposto doer assim

não te quero, não quero que descubras que ainda me queres. só quero sentir que o que vivemos não foi uma mentira. só quero acreditar que quando te dizia "gosto tanto de ti" e tu respondias "eu gosto mais de ti" estavas a ser sincero. mas não está fácil.


Chaga - Ornatos Violeta

4.10.10

adenda ao post anterior

esta semana estou de férias. e quase posso apostar que vou chegar ao próximo domingo sem ter tratado de nenhum destes dois assuntos. haja coerência...

haja saudinha

ontem a fazer contas de cabeça cheguei à conclusão de que perdi o cartão do seguro de saúde há dois anos. e ainda não fui renová-lo.
sim, sou assim tão organizada e metódica. by the way, já acabei de pagar o carro há 3 anos e meio e o registo de propriedade ainda está em nome do banco.

3.10.10

merda para o domingo

não me levem a mal, o dia até correu bem.
mas os ídolos estão a ser uma merda e o google reader continua implacavelmente a dizer-me "sem itens não lidos".

canção segredo

ontem enquanto balançava de fino na mão ao som de foge foge bandido tive o atrevimento de me sentir feliz.
tenho de ter cuidado, que isto é coisa para se repetir...

i'm watching you

diz que ninguém é ninguém na blogosfera até ser plagiado.
qualquer dia começo a receber presentes de marcas e tudo.

2.10.10

canon delicatessen

há uns anos uma amiga de infância criou um blog chamado "canon delicatessen", onde nos brindava com algumas das imagens da sua nova vida construída longe daqui - tiradas com uma canon, pois claro.
agora, meio em jeito de homenagem meio em jeito de plágio, crio eu também essa etiqueta. sem a pressão psicológica de fotos diárias, sem compromisso de qualidade. só porque me apetece.
[nota-se muito que sou maçarica pela forma como seguro na máquina?]

férias

daquelas calmas, sem viagens, sem loucuras, sem gastos extravagantes. uma semana de descanso, passeios com a máquina fotográfica em punho, almoços com amigos, unhas pintadas e cineminha ou filmes caseiros.
paz e sossego. e paz de espírito.

não é justo

o meu dia-a-dia é meu e ele já não entra nem interfere no meu humor.
mas nos sonhos, senhores, nos sonhos ainda é rei e senhor. e nem sequer é o príncipe encantado que me pareceu ser em certos momentos. não, parte-me o coração vezes e vezes sem conta. e acordo mais cansada do que adormeci.

1.10.10

o prometido é devido

aqui está a etiqueta do nojo.. ainda tentei ir colocá-la em posts mais antigos mas comecei a ler coisas que me deprimiram por isso desisti. começo a meter nojo a partir de agora, pode ser?

foi há 2 anos

lembro-me como se fosse ontem

o estado do orçamento 2011

estes tempos de crise são implacáveis para uma rapariga solteira. é que não há orçamento que suporte todo o sushi, cinema, compras e viagens necessários para fazer de mim uma rapariga feliz..

30.9.10

saudades de nyc

video
a autoria do vídeo é minha, o génio é dos próprios

29.9.10

i'm a cat person

está na hora de meter nojo

estou para aqui a filosofar em vez de ir dormir, apesar de estar estourada, porque estou à espera que a primeira camada do gelado de leite condensado esteja congelada para lhe deitar por cima a bolacha maria e a segunda camada de gelado. isto porque lá no novo tasco a malta tem a mania de fazer banquetes em vez de ceias nas noites.
e apesar disso ainda não engordei nada. nem um quilo. pronto, já meti nojo.

28.9.10

os meus amigos são os melhores do mundo #4

disseram-me um dia que os amigos de todos os dias são sobrevalorizados, importantes são os amigos de certos dias mas que se mantêm.
e podem não fazer o peito rebentar de felicidade, mas dão um calorzinho que não há manta nem chá que substitua.

live and learn

sei que a coerência nunca foi uma das qualidades dele, mas feita tolinha continuava a acreditar no que ele me disse quando começámos a namorar: que não era pessoa de se apaixonar muito e que, independentemente de as coisas entre nós resultarem ou não, ia gostar de mim durante muito, muito tempo.
passaram dois meses - dois meses. eu ainda ando a lamber as feridas. ele, segundo dados recentes indicam, está com outra pessoa.

o melhor dia para casar

diz quem sabe que é o 31 de julho. definitivamente não é o melhor dia para acabar um namoro. porque depois de um agosto de luto vêm as primeiras noites frias sem uns pés quentinhos para me aquecerem e as tardes de domingo sem companhia no sofá. it kinda sucks.

e um casaquinho, não?

ai o caracinhas que estão 9 graus e eu saí de casa de t-shirt e casaco de malha...

27.9.10

das saudades

tenho saudades de me sentir tão feliz que parecia que o peito ia rebentar. parecendo que não, é uma sensação à qual uma pessoa se habitua com alguma facilidade.

pelo menos já anseio por alguma coisa

doze horas de trabalho por dia é bom, enquanto estou a pensar nisso não penso noutras coisas. quando não estou a trabalhar estou a ler blogues ou a ver séries ou na zara ou mango online ou nas lojas propriamente ditas. a gastar o dinheiro que tinha dito que ia poupar quando acabasse a pós-graduação - a bem da verdade, não tenho gasto assim tanto; limito-me a passear-me pelas lojas e a ver coisas que gosto mas que não compro porque sei que não iam dar-me uma satisfação mais do que passageira.
e anseio pelo momento em que vou deixar de viver em piloto automático.

26.9.10

um dia bom acabou de melhorar

cruzei-me com o nosso mister.

não, a sério

o que uma tarde de domingo livre e uma enorme teimosia fazem por um template...
cromos do google reader, percam 2 segundos a apreciar a minha obra de arte POR FAVOR!

vintage gold





















porque às vezes vale a pena pedinchar...

o que é nacional é bom


Albano Jerónimo

Gonçalo Waddington





















e estes dois, como diria a outra, comia-os barrados com tulicreme.


help!!

alguém sabe como é que posso fazer a imagem do cabeçalho ficar da largura do texto?

ando aqui às voltas com o template do blog

se de repente vos parecer que entraram no blog errado, perdão. é que eu sou mesmo naba nestas coisas. e vamos lá a ver se eu consigo guardar o template original no pc...

24.9.10

tudo por mais 5 minutos na cama

hoje quando saí de casa ainda tinha as marcas da almofada na cara.

21.9.10

turning a house into a home


we'll always have paris

a viagem é só uma hipótese, e bem longínqua no tempo... mas vou começando a pensar em tudo o que quero fazer - comer du fromage avec la baguette, beber le champagne, comprar les cadeaux de noel...
uma pessoa tem de se entreter com alguma coisa, e como já papei as 6 temporadas do "Sexo e a Cidade" num tempo recorde de quê?, duas semanas?, há que partir para novos objectivos.

20.9.10

(not so) holi-days

revejo as fotografias da viagem aos açores e só me vejo deitada na toalha com o coração partido em mil pedacinhos. não a desejar morrer mas simplesmente a desejar deixar de existir.
e os meus amigos, os tais que são os melhores do mundo, foram a única companhia suportável. sei que não aproveitei a viagem tanto quanto podia. mas sei também que a alternativa teria sido bem mais insuportável.
e ficaram algumas boas memórias...












photos by P.O.